Blog

O melhor conteúdo sobre custos e lucratividade

9 dicas de como ter um maior controle financeiro empresarial

9 dicas de como ter um maior controle financeiro empresarial

A falta de controle sobre as finanças está entre os principais motivos da falência de diversas empresas, e não são apenas os micros e pequenos negócios que sofrem com esse problema. Pelo contrário: as médias e grandes corporações também precisam focar e criar estratégias para utilização do capital e demais recursos financeiros do negócio.

Um bom e eficiente plano financeiro é fundamental para que toda empresa se mantenha ativa e competitiva no mercado e sobreviva em meio a crises e contratempos que podem atingir o seu fluxo de caixa. Portanto, essa prática não é apenas uma questão de reduzir custos, mas de sobrevivência.

Você acha tudo isso muito confuso? Não tem ideia de como pode começar a colocar a gestão de sua empresa em ordem? Não se preocupe! Reunimos neste post 9 dicas para que você comece a adotar o controle financeiro empresarial no seu negócio e entenda quais as melhores maneiras de colocá-las em prática. Continue a leitura!

1. Faça o planejamento financeiro

Antes de tudo, é preciso definir como será o controle e o planejamento de seus recursos. Para isso, primeiro é necessário conhecer cada característica financeira da empresa, como os gastos, os ganhos, as despesas, se há dívidas em aberto, entre outras questões.

Após esse processo, você deve definir metas e objetivos claros e alcançáveis para cada setor. Esses propósitos podem ser planejados mensal, bimestral, trimestral, semestral ou anualmente.

O controle financeiro empresarial deve ser feito o quanto antes, pois em poucos meses a situação econômica do país ou o quadro orçamentário de sua empresa pode sofrer grandes alterações. Nesses casos, um bom controle pode ser decisivo para manter o negócio em funcionamento.

2. Registre todas as despesas e receitas

O caminho mais rápido e fácil para a falência é o descontrole e desconhecimento daquilo que a sua empresa deve pagar mensalmente. Programar, organizar e registrar todos os gastos, receitas e qualquer tipo de despesa é fundamental para manter as contas em dia, adotar estratégias para reduzir esses valores e otimizar o seu controle financeiro empresarial.

Então, invista em um bom software de gestão — já que as planilhas de Excel são ineficientes para o gerenciamento financeiro — e registre toda saída e entrada do caixa e as despesas fixas e variáveis. Com isso, poderá ser feito um diagnóstico sólido para tomar decisões embasadas em fatos e dados, e não em suposições.

3. Desenvolva orçamentos para cada setor

Cada departamento da sua empresa tem características e necessidades distintas. A administração, por exemplo, possui diversas despesas e precisa de recursos diferentes do setor de compras. Sendo assim, generalizar demais ou dividir igualmente o orçamento pode não ser uma boa ideia, já que algumas áreas podem ficar com menos capital do que realmente precisam.

Para que o seu controle financeiro empresarial funcione eficientemente, crie orçamentos e categorias de custos para cada centro do negócio, definindo um limite para todos os gastos. Caso as compras ultrapassem o teto, converse com o responsável para que, juntos, vocês possam criar uma cultura de economia.

4. Monitore as pendências

Por meio de um bom planejamento, é possível acompanhar as inadimplências da sua empresa, que é uma prática fundamental para quitar e manter sob controle qualquer tipo de débito que esteja em aberto, evitando assim o famoso efeito “bola de neve”.

Para isso, categorize as dívidas e saiba quanto e para quem a empresa está devendo. Assim, você poderá tentar renegociar, entrar em acordos para quitá-las e, apenas em último caso, pensar em fazer um empréstimo para quitar as dívidas.

Esse recurso só deve ser usado depois que você fizer muitas contas e perceber que realmente não há uma alternativa. Lembre-se de que o planejamento e a organização financeira devem ser bem estruturados para que você nunca precise recorrer a um empréstimo.

5. Use a tecnologia como aliada

Há vários softwares disponíveis no mercado que podem automatizar processos, como pagamento de boletos e faturas, controle do fluxo de caixa, contas a pagar e receber, entre outros. O uso da tecnologia traz muitas vantagens, entre elas a redução de custos e a otimização de processos.

Ter um sistema de controle financeiro empresarial organizado não é importante apenas para garantir a saúde da empresa, pois a transparência de informações também pode facilitar a busca por investidores. Afinal, para se manter e crescer em um mercado dinâmico e competitivo é preciso ter as contas na ponta do lápis.

6. Negocie com seus credores

Caso seja possível, tenha vários fornecedores, pois isso aumenta seu poder de negociação. Pagar as contas em dia vai evitar despesas com protestos, multas, juros e uma eventual necessidade de empréstimos.

Uma empresa que tem acesso rápido aos seus dados e um sistema em que as informações estão organizadas consegue negociar, de maneira eficiente, os prazos de pagamento junto a seus credores.

7. Não misture gastos pessoais e da empresa

Nada é mais nocivo para o fluxo de caixa do que misturar as contas da pessoa física com as da empresa. Ao fazer isso, torna-se praticamente impossível analisar os resultados financeiros. Essa desorganização vai ter um reflexo ruim também na vida pessoal.

A maneira mais sábia de resolver a questão é estabelecer uma retirada mensal para os sócios, que seja compatível com a realidade financeira do negócio. Dessa forma é possível preservar os ativos da empresa e os bens pessoais em caso de problemas.

8. Tenha uma reserva financeira

Pode parecer uma tarefa impossível ter um dinheiro reservado a fim de amortecer um gasto inesperado ou uma eventual emergência, mas se você conseguir implementar na sua empresa as dicas anteriores, isso vai ficar bem mais fácil.

O crescimento desse fundo emergencial pode ser um bom indicativo de que os negócios estão no rumo certo, e conforme ele for engordando, uma parte poderá ser reinvestida na empresa. Para obter esse tipo de recurso, o ideal é destinar um percentual do lucro líquido.

Procure aplicar esse dinheiro em um investimento de baixo risco e que possa ser resgatado a qualquer momento. Prefira aplicações que rendam mais que a poupança, mas ainda assim sejam seguros. Algumas opções são o Tesouro Direto e os CDBs.

9. Analise frequentemente os resultados

Após definir as suas metas, elaborar o planejamento e dividir os recursos, não abandone o seu controle financeiro empresarial. É muito importante que os resultados e indicadores sejam verificados, analisados e estudados ao menos uma vez por mês.

O ROI — retorno sobre investimento — é um dos indicadores que vai permitir uma visão mais ampla sobre a saúde financeira da empresa. É uma boa maneira de saber se os objetivos e estratégias empregados estão se comportando conforme o esperado, permitindo que você conheça melhor o seu negócio e tenha uma tomada de decisão efetiva e funcional.

O controle financeiro empresarial deve ser o seu guia para tomar qualquer tipo de decisão e funcionar como uma estratégia para ter mais liquidez e se manter ativo no mercado. Para isso, conheça cada característica do seu negócio, registre todas as movimentações do caixa e acompanhe frequentemente os resultados.

Pode parecer muita informação, mas quando você implementar essas dicas à rotina da sua empresa, irá perceber os resultados. Quer conferir mais conteúdo sobre gestão? Então não deixe de acompanhar os nossos perfis nas redes sociais!