Quando chega o momento de divulgação de resultados por parte das empresas, muitas informações, principalmente as que possuem caráter financeiro, são de difícil interpretação por quem tem menos conhecimento técnico.

Mesmo aqueles profissionais que possuem mais experiência podem enfrentar algum tipo de problema para analisar as informações financeiras e definir rumos futuros para uma entidade. Nesses casos um indicador bastante utilizado é o Ebitda, que apresenta informações financeiras, mas com caráter gerencial.

Você sabe o que é e para que serve o Ebitda? Vamos ver agora!

O conceito do Ebitda

O Ebitda vem de uma sigla em inglês, que significa Earnings before interests, taxes, depreciation and amortization. Traduzido para o português é chamado de Lajida, que é o lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização.

Ele serve para identificar quanto uma empresa consegue criar de caixa em suas operações principais, desconsiderando efeitos tanto tributários quanto de juros e encargos. Também desconsidera a depreciação e a amortização, pois embora afetem o resultado, não representam desembolsos financeiros.

O Ebitda é importante, pois se apresenta como um complemento para as informações de lucro e de rentabilidade de um negócio. Essas informações representam obrigações legais e muitas vezes não possuem o aspecto gerencial e estratégico necessário para a correta tomada de decisões.

O cálculo do Ebitda

Para se calcular o Ebitda deve-se partir do lucro operacional, que nada mais é do que as receitas líquidas, estas já sem os impostos, deduzidas dos custos e despesas operacionais e das despesas financeiras, aquelas incorridas com juros e encargos financeiros.

Após ser obtido este montante devem ser adicionados os valores relacionados à depreciação e à amortização. Estes valores estão tanto nos custos quanto nas despesas operacionais e representam gastos apenas econômicos e não financeiros.

Os juros e encargos devem ser retirados, pois representam esforços de uma entidade que nada estão ligados à geração direta de caixa. Neste caso, também devem ser adicionados ao lucro operacional antes dos impostos.

Embora sendo de natureza voluntária e não obrigatória, a divulgação do Ebitda já tem sido realizada por empresas de capital aberto, tudo para aumentar o nível de divulgação de informações para a sociedade e também para facilitar o trabalho dos analistas.

Os usos do Ebitda

Embora possua suas limitações, como qualquer índice, o Ebitda pode calcular a produtividade e a eficiência de um negócio, já que elimina os efeitos de financiamentos e de itens não financeiros. Quando analisado de maneira histórica pode determinar como uma empresa está evoluindo em termos de geração de caixa operacional e de produtividade.

Uma limitação com relação ao uso do Ebitda está ligada justamente ao reinvestimento, fator ligado à geração da depreciação em um negócio. A necessidade de reinvestimento varia de negócio para negócio, mas o fato é que o Ebitda desconsidera os efeitos da depreciação em seu cálculo.

O Ebitda é um indicador muito utilizado e com grande relevância, mas que deve ser sempre utilizado em conjunto com outros indicadores para poder trazer os melhores resultados para um negócio.

Se você quiser ficar por dentro não somente sobre Ebitda, mas de qualquer outro assunto ligado à gestão de um negócio, assine nossa newsletter e receba informações periódicas para a sua empresa.